Cultura

Você está vivendo no mundo VUCA e nem sabe o que é isso?

Vamos lá! Se você não sabe o que é VUCA, precisa saber já! E se você já sabe… bem, imagino que o desespero possa estar batendo por aí. Mas não entre em pânico! Apesar de complexo, o mundo VUCA também traz possibilidades incríveis para quem se permite observar e tentar entender melhor essa realidade desafiadora.

Mais que um acrônimo, VUCA é um estado geral do mundo atual e representa quatro características dessa nossa realidade: VOLATILITY, UNCERTAINTY, COMPLEXITY e AMBIGUITY. Na nossa língua portuguesa: volatilidade, incerteza, complexidade e ambiguidade. Parece o caos, não é mesmo? E é!

Curiosidades à parte, o termo não é nem um pouco novo. Foi usado pela primeira vez pelo U.S. Army War College pra descrever a realidade pós-Guerra Fria. Era um termo que ficou bastante conhecido nos anos 90 entre pessoas do meio militar. E vejam: é um dos termos mais usados para descrever a nossa realidade na atualidade.

Uma realidade em que os impactos da revolução digital transformam profissões, exterminam mercados, mudam comportamentos, criam novos nichos e oportunidades, solucionam problemas que se arrastavam por anos e criam outras questões desafiadoras que nunca existiriam se não houvessem as tecnologias disponíveis de hoje.

O mundo VUCA e seus desafios: organizações e indivíduos

A velocidade acelerada dessas mudanças está fazendo com que a maioria das organizações, hoje em dia, esteja enfrentando dois problemas:

1. Elas estão em algum lugar no gap transformacional entre o passado e o futuro, incapazes de se desfazerem completamente das práticas antigas, mas ao mesmo tempo querendo estar estrategicamente comprometidas com a transformação necessária para encarar o novo mundo.

2. Elas estão lutando para criarem um discurso significativo sobre o futuro que engaje seus funcionários e, mesmo quando conseguem, enfrentam imensa dificuldade de colocá-lo em prática.

VUCA 01
A velocidade acelerada das mudanças é surpreendente (Crédito: Shutterstock)

Além das organizações, cada um de nós também está perdido tentando encontrar sua posição no meio desse mundo VUCA. Não é uma posição confortável. Na verdade, é extremamente incômoda.

Seres humanos foram treinados para esperar certeza, durabilidade e permanência. Foi essa a promessa que sustentou o homem moderno – a natureza caótica poderia ser domesticada pela engenharia humana. A vida antes desagradável, brutal e curta do homem hobbesiano poderia ser transformada em uma vida confortável, luxuosa e longa. Hoje, as novas tecnologias estão acelerando a velocidade das mudanças, tornando possível o mundo VUCA, e fazendo com que sejamos forçados a adentrar um novo “LEVEL” na jornada da evolução humana e nos colocando de volta (ironicamente) os mesmos desafios que lutamos tanto para nos livrar no mundo antigo: a ameaça de nossa zona de conforto composta por certezas, durabilidades e permanências, porém com novas roupagens, contextos e consequências.

Para os indivíduos, em termos de carreira, os desafios do mundo VUCA vem na forma de questões sobre o Futuro do Trabalho. Algumas profissões serão totalmente remodeladas, outras, extintas. Novas profissões surgirão.

A velocidade dessas alterações coloca em cheque nosso modelo educacional que, HOJE, não está apto para dar conta desse mundo VUCA cheio de volatilidade, incerteza, complexidade e ambiguidade: em 4 anos muita coisa mudará no mundo se a velocidade dessas mudanças continuar exponencial. Será que grandes universidades ainda farão sentido nesse contexto? Como deverá ser o novo modelo educacional?

(Esse seria um tema para outro artigo. Escreva nos comentários se esse assunto te interessa!).

O mundo VUCA é a morte do planejamento?

O mundo VUCA parece ser um grande balde de gelo para os planejadores de plantão! Como planejar 5 anos, 10 anos à frente (como nos ensinam no MBA de Gestão Empresarial) se mal sabemos como serão os próximos 3 meses? Todo mundo jogando fora o diploma de MBA? Nada disso!

Porém, é inegável que a forma como planejamos deverá mudar. Treinar a habilidade da rápida adaptação e resiliência, além de possuir maior dinamismo no planejamento será essencial. As equipes que executarão os planos traçados também deverão ser mais dinâmicas e velozes para implementar mudanças súbitas que sejam necessárias.

VUCA 02
É inegável que a forma como planejamos deverá mudar (Crédito: Shutterstock)

O trabalho realmente colaborativo será a bola da vez! Quem souber melhor trabalhar essa característica de grupos diversificados, inteligentes e focados na colaboração ganhará em velocidade de adaptação. O talento em harmonizar e direcionar grupos multidisciplinares e multiculturais também renderá soluções mais criativas para problemas. Portanto:

1. Dinamismo no planejamento – nada de rever o planejamento só com a chegada das festas de final de ano. As metas traçadas devem ser revisitadas ao longo do ano para checagem: será que essa meta ainda faz sentido? Será que os passos e planos traçados para se chegar lá ainda se sustentam no contexto do agora?

2. Novas ferramentas para gestão de projetos – Design Thinking, Agile, Sprint, UX Design… será preciso novas formas de se trabalhar em equipe, gerir projetos, serviços e produtos.

3. Equipes colaborativas e multidisciplinares – para ganhar em agilidade e eficiência na implantação de projetos ou mesmo na redefinição dos projetos em andamento, é preciso ter uma equipe nota 10, engajada, colaborativa, multidisciplinar e multicultural. Além de ter essas pessoas, será preciso saber lidar com elas e liderá-las! A diversidade ganha o jogo!

4. Novos modelos de negócio – no mundo VUCA é preciso sempre repensar seu business model e estar próximo daqueles que um dia podem matar o seu modelo de negócio (ou até mesmo turbiná-lo). O Airbnb não matou os hotéis, mas encontrou um oceano azul inexplorado e linkou interesses de custos acessíveis para hospedagem com necessidades de pessoas dispostas a hospedar como forma de rentabilizar seus imóveis. E isso impactou de alguma forma algumas redes de hotelaria. Não se prepare para receber o impacto: seja protagonista! Com isso, ou você encontrará mercados inexplorados (o que será maravilhoso!) ou no mínimo estará alerta e poderá prever possíveis impactos rapidamente, antes que aconteçam!

Lembrando que, sobre planejamento:

no mar revolto a solução nunca é jogar fora a bússola, mas aprender a trabalhar melhor com ela, sabendo ajustar as velas rapidamente na direção certa! Com a tripulação agarrada no talento do trabalho colaborativo!

Algumas questões gerais do mundo VUCA

Questões desafiadoras que nunca existiriam se não houvessem as tecnologias disponíveis de hoje:

1. Como tratar a questão da privacidade em um futuro em que a IoT possibilitará que a casa e até mesmo seus objetos reconheçam os moradores? Como será tratada a privacidade das crianças dessa casa? A Amazon lançou um serviço de entrega domiciliar em que o entregador entra na casa do cliente monitorado por uma câmera de segurança da fechadura. Veja aqui. Quais outras questões isso implica? Estamos preparados para isso?

2. Como será programada a tomada de decisão de um carro autônomo ao detectar uma criança que correu para o meio da rua? (frear bruscamente e bater gravemente com outros carros causando outros possíveis feridos? Tentar desviar da criança? Qual será o critério para a tomada de decisão: menor impacto? Até que ponto essa decisão será ética ou não?). Veja mais discussões aqui e aqui.

3. E quando a impressora 3D for acessível à maioria da população? Como vamos lidar? E se, com a difusão e maior acessibilidade às tecnologias, um cidadão resolver imprimir um dispositivo militar em sua casa?

4. E os drones? Todos poderão ter acesso e permissão de pilotar? Como será controlada a frota de entrega de uma logística baseada em drones? Eles poderão filmar e registrar indivíduos em seus lares ou percursos? Essas gravações poderão ser utilizadas pela polícia, pelos governos? Pelas empresas de drones? Big Brother? Como será o trânsito desses drones nos céus das cidades? Quais implicações para aeroportos? Veja mais aqui e aqui.

5. E se drones forem utilizados por militares?

6. E quando um robô quer ter direito a uma cidadania? E a ter uma família? Veja aqui.

7. E quando esses mesmos robôs inteligentes discutem o futuro da humanidade? ISSO JÁ ACONTECEU: sim, você está “no futuro” e nem sabia! Recomendo assistirem ao vídeo:

Em algumas linhas já deu pra perceber que essas questões todas só podem acontecer em um mundo VUCA. Volatilidade, incerteza, complexidade e ambiguidade já fazem parte há um tempo da nossa realidade. Mesmo sem você nem saber disso!

O momento atual é assustador, mas também INCRÍVEL! Temos a oportunidade de desenhar o futuro através das incríveis tecnologias existentes. O surgimento de inovações disruptivas nos mais diversos setores nos parecerá amedrontador, até que saibamos lidar com essas novas tecnologias e as implicações complexas de seus usos. As discussões abertas são potencialidades de criarmos novos mundos melhores.

Eu estou empolgadíssima, e você?

ASSINE NOSSA NEWSLETTER SEMANAL

Daniela Yoko Taminato

Comunicóloga, marketeira e administradora. Apaixonada por livros, viciada em mochilões, ligada no mundo da inovação e das organizações exponenciais. Acabou estudando sociologicamente os impactos das mídias digitais na Itália, refinou os conceitos de marketing em Ohio e fechou com um MBA em terras brasileiras. Viajou o mundo até se deparar com essa fascinante e envolvente curva em velocidade exponencial que tomou conta dos ambientes de inovação, criatividade e empreendedorismo.

ARTIGOS RELACIONADOS

Comentários no Facebook