Negócios

Não há verdade absoluta nem futuro garantido

As discussões sobre o futuro estão acirradas. Ameaças, tecnologia, inovação, transformação digital. Robôs por todos os lados, AI invadindo os negócios e a maioria das pessoas cada vez mais conectada com os impactos da Revolução 4.0. O assunto virou a pauta principal do mundo.

Como tudo na vida, novidades entram em cena em ondas. Já passamos a primeira onda, onde poucos sabiam o que era Futurismo, Quarta Revolução Industrial ou Mundo Exponencial. Estamos na segunda onda, onde todo mundo só fala sobre este assunto.

É um despertar coletivo que se repete quando o mundo precisa colocar a atenção em algo novo. Momento perigoso, porque várias verdades podem ser assumidas de forma leviana, e onde o terreno se torna fértil para oportunistas e conhecedores rasos do assunto, acostumados a surfar as ondas da moda sem muita preocupação real com o impacto a médio prazo.

Passei dois dias com a nossa respeitada futurista Rosa Alegria, que ofereceu um workshop de Futurismo Aplicado muito bem embasado e sério. Na sala, outro grande nome do futurismo no Brasil: Tiago Mattos, a quem faço reverência pela competência, pelo que já me ensinou mesmo sem saber e pelo posicionamento que adota como figura importante do assunto no Brasil.

Não há verdade absoluta

No workshop surgiu um mantra: não há verdade absoluta. Uma frase inteligente, sábia, digna de uma futurista como Rosa. Decidi explorar este viés. Assim como não há verdade absoluta, não há uma só visão futura do mundo, portanto, brigas em torno de quem tem razão ou que está com a verdade são inúteis. Gastam nossa energia, nosso tempo e nos fazem perder o foco do que realmente é importante: construir o futuro que desejamos juntos.

Futuristas conceituados não declaram nada certo sobre os tempos que ainda estão por vir, e sim imaginam, conectam sinais, despertam criatividade e trazem clareza sobre as oportunidades e os problemas que teremos que enfrentar como humanos, habitantes deste planeta água.

Dogmas aprisionaram a humanidade, e com a onda 4.0 e o Vale do Silício ganhando destaque, novos dogmas podem estar surgindo. Minha provocação é: seria uma nova forma de colonizar o ser humano com outros conceitos ou outras ferramentas?

futuro 01
Não há verdade absoluta (Crédito: Unsplash)

Culturalmente, precisamos nos libertar de colonizadores que influenciam nossa forma de pensar e agir, e nos tornam vítimas de regras sociais que não servem a humanidade e sim ao interesse de poucos. Nossa sociedade pós-guerra foi nutrida pelo medo. A neurociência sempre foi usada nas estratégias de marketing.

Nossa amígdala é resgatada frente a ameaças ou noticias ruins, e perdemos o foco da parte positiva da vida e acionamos o modo escassez, que nos faz tomar decisões com base no medo não naquilo que desejamos viver ou construir. Precisamos romper estas barreiras de forma coletiva.

O marketing digital vem sendo questionado. As pessoas estão fartas de abordagens incisivas e enganosas para que no final tudo termine na venda de alguma coisa. Fórmulas de sucesso anunciadas por pseudo sábios ou pseudo futuristas despertam angústia, fomentam compras impensadas e já vem mostrando efeitos colaterais ruins na população.

Precisamos ser bons no curto prazo sem perder de vista o capitulo seguinte, de médio e longo prazo. Futurismo é uma ciência aplicada a negócios com o objetivo de fomentar a criatividade e de criar programas de inovação, dar apoio às mudanças sociais e econômicas do mundo, e à vida das pessoas em geral.

O futuro será incrível

Os fatos de hoje afetarão a todos nós nos próximos anos. O futuro não tem a ver somente com tecnologia mesmo esta sendo a estrela do nosso tempo. O futuro que se apresenta exige uma mudança radical no mindset do ser humano, que é genial em arrumar desculpas para evitar ou adiar momentos de mudança.

A desumanização do modelo humano e individualista precisa acontecer e a rehumanização em um modelo mais sustentável é uma tarefa de todos nós. O antigo jeito de pensar, viver e trabalhar não serve para a nova década. Precisamos nos reinventar com urgência.

futuro 02
O futuro não tem a ver somente com tecnologia (Crédito: Shutterstock)

1. A mudança mais importante está associada à nossa forma de ver o mundo. Estamos na era na expansão da consciência e mudanças maquiadas não se sustentarão;

2. Mudando nosso modelo mental, mudamos a cultura, que significa nos comportarmos dentro de um novo padrão de regras sociais, mais livre, mais ético, mais conectado com o todo;

3. A inovação e a adaptação dos profissionais do mercado nunca foi uma opção, é uma condição continuidade. É hora de encarar o desafio;

4. A mudança humana pode seguir um roteiro lógico e até linear. O cérebro precisa de previsibilidade, e o mundo VUCA não oferece nenhuma. Por mais que o mundo seja digital e exponencial, nossa mente é linear e podemos promover este encontro sem traumas. Precisamos criar um caminho que faça sentido, e ir vivendo o novo até que este se torne a prática usual. A neurociência nos mostra que o cérebro não apaga antigos caminhos ou conhecimento e sim o substitui.

5. Uma sugestão de rota:

  • Aproxime-se do novo para compreendê-lo;
  • Valide os novos conceitos conectando-os com a sua realidade;
  • Diminua o pré-julgamento e a residência e dê uma chance para o novo: imagine que o que fazemos hoje pode ser melhor através de novas tecnologias ou novos modelos;
  • Experimente a teoria na prática, avalie impactos;
  • A repetição é necessária, com ajustes, para que seu cérebro crie novos caminhos internos que se tornem o novo padrão.

O novo homem do planeta precisa trabalhar seriamente na construção de sua persona: pessoas bem formadas para a vida geram resultados mais seguros. Consciência, clareza da missão pessoal, do papel no mundo, das forças e fraquezas, humildade, prontidão para mudança e visão expandida formam este novo ator do grande jogo da vida na Terra.

A convergência da ciência com as filosofias espirituais também está acontecendo e talvez seja a maior das forças de mudança do mundo (leia-se espiritualidade como a busca do sentido da vida não como religião que nos aprisiona em dogmas )

Faça de 2018 um ano de tranquilidade e de aprendizado sólido. Acompanhe tudo mas não perca presença da vida. Conecte-se mas viva na mesma proporção. A realidade da vida não está no celular ou na rede social, está perto da sua respiração. O futuro será incrível, precisamos estar preparados para recebê-lo.


Jaqueline Weigel – Futurista, Humanista e Mentora de Inovação e Liderança Exponencial

W Futurismo | W Future School

ASSINE NOSSA NEWSLETTER SEMANAL

Jaqueline Weigel

Futurista, Humanista, Estrategista de Inovação, Instrutora de Liderança Exponencial e CEO da W Futurismo.

ARTIGOS RELACIONADOS

Comentários no Facebook