Cultura

Super-humanos

Super-humanos. A simbiose é um conceito da Biologia que explica a relação mutuamente vantajosa entre dois ou mais organismos vivos de espécies diferentes. Na relação simbiótica, os organismos agem ativamente em conjunto, para proveito mútuo, o que pode resultar em especializações funcionais de cada espécie envolvida.

Com a revolução da convergência tecnológica integrando bits (informática), átomos (materiais), neurônios e células (biologia), a capacidade humana tem se prolongado a cada dia. Alguns já tinham visto o que iria acontecer.

Há mais de 50 anos, o  canadense Mc Luhan, o profeta da Internet, já falava sobre os meios de comunicação como extensão do homem. Há duas décadas, o americano Nicholas Negroponte, guru tecnológico do MIT, profetizou a revolução dos bits que se integram rapidamente aos átomos e criam uma superestrutura de informação.

No fim dos anos 90, o francês Alan Rosnay, lançou o livro O Homem Simbiótico, para quem a revolução trazida pelos bits de informação que circulam nas redes é parecida com a revolução da circulação de moedas que aconteceu quando se criaram os mercados.

Biologia, mecânica e eletrônica tudo num só corpo integrado e polivalente. Tecnologia literalmente à flor da pele, como já é função da pulseira Cicrat, invenção francesa que permite teclar um numero de telefone acoplado sob a pele do braço, como se braço e celular fossem uma coisa só.

Computadores processando diagnósticos de alta precisão na medicina, trazendo respostas instantâneas a dúvidas que antes levávamos dias para conseguir, oferecendo câmeras de video, fotografia, rádio, tv, jornais, escolas, revistas, fax, livros, enciclopédias, telefone e muito mais maquinários num só aparelho móvel que cabe na palma da mão.

Estamos nos tornando super-humanos?

Já não somos os mesmos. Essa simbiose muda como trabalhamos, aprendemos, nos relacionamos, nos informamos, comercializamos e consumimos. Estamos nos tornando super-humanos? Seremos os ciborgues das ficções científicas?

Ou nosso potencial está na berlinda? As máquinas já não são somente extensões dos nossos corpos, mas também extensões de nossas mentes. Nossa inteligência pode estar sendo superada.

super-humanos 01
Seremos os ciborgues das ficções científicas? (Crédito: Shutterstock)

Em 1997, um cérebro eletrônico vence o cérebro humano pela primeira vez. O campeão de xadrez Gasparov perde para o computador Deep Blue da IBM. Catorze anos depois, em 2011, a IBM lança o Watson que vence dois campeões até então imbatíveis no programa Jeopardy, concurso de televisão nos Estados Unidos.

O relatório O Estado do Futuro, editado anualmente pela rede de futuristas do Projeto Millennium, traz uma projeção: quando toda a humanidade estiver conectada com a Internet das Coisas e quando os Estados Unidos  Europa e China se aliarem nos investimentos tecnológicos e integrarem os super-avanços com os projetos de inteligência artificial do Google e da IBM, seremos todos gênios.

Essa é a visão mais otimista. Mas existem os que se assustam com esse futuro homem-máquina que se revela em sua plenitude com a revolução da Inteligência Artificial.

O fim da humanidade?

Robôs já substituem humanos em algumas profissões. Recepcionistas, camareiros, pizzaiolos, babás, ascensoristas, motoristas, entregadores, faxineiros, telefonistas são funções que robôs podem desempenhar com mais produtividade e melhor relação custo-benefício.

Poderão até ser famosos dotados de carisma como o androide feminino japonês listado como estrela principal do Sayonara, longa-metragem que está estreando agora em novembro  no Japão. Será o fim do emprego?

No futuro, máquinas inteligentes  poderão decodificar sua própria sequência e efetuarem mudanças em si mesmas. Isso sem o controle humano. Será o fim da humanidade?

A mente brilhante de Stephen Hawking, o maior cientista vivo, diz que sim. Em artigo que escreveu para o jornal britânico The Independent, ele revela seu medo:

O sucesso em criar inteligência artificial seria o maior evento na história da humanidade. Infelizmente, também pode ser o último, a menos que aprendamos a evitar seus riscos. – Stephen Hawking

Ele não é o único gênio com medo. Bill Gates e Elon Musk, ícones da inovação, também se assustam com essa possibilidade.

Simbióticos ou não, precisamos pensar em que rumo tomar para enfrentar os desafios mais urgentes que aumentam a cada dia. O relatório Estado do Futuro do Projeto Millennium indica que cresce a desigualdade, a violência e a destruição ambiental.

Espero que antes que nos tornemos “super-humanos”,  possamos ter tempo de ser um pouco “mais humanos” e mais felizes.


Publicado originalmente no Diário do Comércio

ASSINE NOSSA NEWSLETTER SEMANAL

Rosa Alegria

Futurista profissional, palestrante, pesquisadora de tendências e Mestre em Estudos do Futuro pela Universidade de Houston (EUA)

ARTIGOS RELACIONADOS

Comentários no Facebook