Ciência

Startup japonesa arrecada US$ 90 milhões para lançar missão lunar em 2019

A startup japonesa Ispace anunciou, nesta semana, que arrecadou 10,2 bilhões de ienes (US$ 90 milhões) para lançar sua primeira missão espacial. Os fundos serão utilizados para colocar uma nave espacial na órbita lunar em 2019 e pousar um rover na superfície da Lua até 2020.

O financiamento foi realizado por grandes empresas japonesas, tais como Japan Airlines Co., Tokyo Broadcasting System Holdings Inc.e Development Bank of Japan. O governo do Japão também contribuiu para financiar a missão espacial, investindo 3,5 bilhões de ienes.

Os planos da startup japonesa

A startup japonesa tem planos de lançar sua primeira missão em 2019. O objetivo inicial é enviar um espaçonave à órbita lunar. Já a segunda exploração, programada 2020, pretende pousar um rover na Lua e estudar o satélite artificial da Terra em busca de recursos hídricos.

Com esse financiamento, a Ispace começará o desenvolvimento de uma plataforma lunar para estabelecer um sistema de transporte flexível e regular, e liderará a exploração e o desenvolvimento da superfície lunar através de sistemas micro-robotizados. – Takeshi Hakamada (CEO da Ispace)

Embora algumas empresas aeroespaciais evitem falar nos lucros que as viagens irão proporcionar, a Ispace não nega a finalidade comercial da iniciativa. Um de seus objetivos principais é coletar dados da superfície lunar e depois vender as informações a clientes e investidores.

japonesa landing
A Ispace pretende colocar um rover na Lua em 2020 (Crédito: Ispace)

Além da comercialização de dados, a Ispace acredita que a missão será uma oportunidade única aos investidores em termos de marketing. As empresas e instituições financiadoras poderão incluir seus logos corporativos nas naves espaciais e rovers fabricados pela startup.

Isso sem falar no serviço de “mapeamento de projeção” oferecido, que abrangerá a instalação de banners e outdoors na superfície lunar, caso a aterrissagem venha a ser bem-sucedida. Segundo a Ispace, diversas empresas têm interesse em fotografar seus logotipos na Lua – com a Terra ao fundo.

Recursos hídricos

Em 2009, a NASA encontrou moléculas associadas à água na superfície lunar. Em 2017, um estudo estimou que lá existem grandes quantidades de água. Embora ainda sejam necessárias mais evidências, a japonesa Ispace está convencida de que existem bilhões de toneladas de água na Lua.

Por todas estas razões, a startup planeja enviar veículos de exploração terrestre para procurar água a partir de 2021, logo após a experiência com o primeiro rover. A Ispace está decidida a desenvolver os recursos hídricos lunares para encabeçar uma economia espacial e dar suporte a um futuro assentamento.

A água pode ser dividida em hidrogênio e oxigênio para produzir combustível, então estamos mapeando recursos lunares para acelerar o ritmo de desenvolvimento espacial. – Ispace

 

O desenvolvimento da Lua é um objetivo a longo prazo da startup. Segundo a Ispace, a superfície lunar terá uma infra-estrutura bem desenvolvida até 2040, com capacidade de acomodar uma população de 1.000 pessoas. Além disso, estima que receberá em torno de 1.000 visitas todos os anos.

Embora seja cedo para dizer se visão da Ispace se concretizará, é inegável que os setores público e privado estão cada vez mais interessados em explorar a Lua, tanto para desvelar seus segredos quanto para lá desenvolver e consolidar um assentamento humanos nos próximos anos.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER SEMANAL

Redação

Futuro Exponencial é um site que se dedica a cobrir os mais recentes avanços tecnológicos e seus potenciais impactos para o futuro da humanidade

ARTIGOS RELACIONADOS

Comentários no Facebook