Virtualidade

Agora você pode “sentir” objetos em realidade virtual

A realidade virtual (VR) é uma tecnologia de interface que se propõe a substituir completamente o mundo físico por um mundo fabricado, bloqueando todo o resto. Ela tem a incrível capacidade de substituir nosso campo visual por uma simulação e nos transportar momentaneamente para outros universos.

A depender da imersão, o mundo virtual pode parecer tão ou mais real que o mundo físico. Mas essa sensação desaparece no exato momento em que você decidimos tocar em algo dentro da experiência virtual. Assim que nossas mãos alcançam o objeto desejado e não atinge nada além do ar, a ilusão é quebrada.

Embora já existam máquinas capazes de simular o vento e a temperatura e até dispositivos que nos fazem sentir voando como pássaros, muitas pessoas perdem completamente o interesse pela VR por causa da “ausência de toque”, que pode transformar uma experiência inicialmente incrível em algo frustrante.

“Sentindo” objetos em realidade virtual

Mas, ao que tudo indica, os dias de experiências sensoriais nada convincentes parecem estar chegando ao fim. Um novo display para mãos, construído por pesquisadores da Stanford University, pretende oferecer um novo nível de feedback tátil, com objetivo de tornar a VR ainda mais imersiva.

Desenvolvido no SHAPELab, shapeShift é uma espécie de caixa composta por uma série de pinos capazes de simular formas e texturas sob os dedos do usuário. Com ele, você poderá tocar em objetos como cubos e bolas, sentir o relevo de montanhas em mapas topográficos e até apalpar as paredes de um labirinto.

realidade virtual 01
shapeShift é composto por pinos capazes de simular formas e texturas sob os dedos do usuário (Reprodução/YouTube)

A experiência funciona da seguinte forma: o utilizador coloca o shapeShift em cima da mesa e, então, insere a mão sobre ele. Com um headset de VR em seu rosto, o usuário poderá sentir os objetos dispostos no mundo virtual em seus mínimos detalhes, como se eles realmente estivessem lá:

Feedback tátil

A ideia de dispositivos capazes de simular formas e texturas não é nova. Além do clássico brinquedo PinArt, pesquisadores do MIT Media Lab recentemente construíram um display tátil chamado inFORM. Semelhante a uma mesa de argila viva, o dispositivo permite aos usuários manusear objetos à distância.

A diferença fundamental entre inFORM e o shapeShift é que esse é móvel por natureza. Por ser equipado com um avançado sistema de rastreamento, o dispositivo criado no SHAPELab é praticamente um mouse de mesa gigante, que pode criar formas e texturas onde quer que a mão do usuário se desloque.

Na prática, isso significa que o shapeShift poderá custar bem menos do que o inFORM, além de ser menor. Os pesquisadores do SHAPELab estão confiantes de que o display poderá ser vendido por US$ 300, o que poderia torná-lo um equipamento complementar aos headsets de VR.

É claro que o display ainda é enorme e nada prático. Mas, à medida que a realidade virtual e realidade aumentada se desenvolvem, experiências hápticas oferecidas por dispositivos como shapeShift e inFORM abrirão caminho para novas iniciativas, reduzindo as fronteiras existentes entre o virtual e o real.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER SEMANAL

Redação

Futuro Exponencial é um site que se dedica a cobrir os mais recentes avanços tecnológicos e seus potenciais impactos para o futuro da humanidade

ARTIGOS RELACIONADOS

Comentários no Facebook