Negócios

A reinvenção do planejamento

Precisamos revisitar o conceito de planejamento, uma palavra muito ampla e que ocupa várias dimensões. Pode se aplicar o planejamento ao futuro do mundo, ao próximo trimestre da sua empresa ou até ao seu orçamento doméstico.

Seja que dimensão ocupar, planejamento é um método de trabalho por meio do qual você se prepara melhor para o que vier a acontecer, sem improvisações que tanto podem ser acertadas ou levar a naufrágios financeiros.

A validade do planejamento clássico já expirou. Planejar com referência no passado não nos ajuda em nada frente aos desafios dos novos tempos,  marcados por mudanças tão rápidas, difíceis de acompanhar. O planejamento tradicional é pautado no que já é conhecido e no que já aconteceu.

O planejamento prospectivo, por sua vez, faz ampliar a visão sobre a realidade, levando indivíduos e organizações a olharem adiante, num futuro bem mais amplo. Apesar de ser um horizonte desconhecido, uma vez que chegamos nele através da imaginação, conseguimos visualizar caminhos novos e muito mais criativos.

Esse novo olhar é a essência da prospectiva estratégica, modelo de inovação que oferece um imenso repertório de ideias e possibilidades para mudar na direção mais adequada à era das organizações exponenciais.  Bem além de responder aos desafios atuais, a prospectiva estratégica capacita o indivíduo a se preparar para as mudanças e também antecipar-se a elas.

A prospectiva estratégica, que desde o ano passado tenho definido como futurismo aplicado, representa a reinvenção do planejamento, voltado à gestão de negócios, desenvolvimento pessoal, inovação de produtos e serviços. 

Tem sido adotada  por organizações que operam mudanças disruptivas. Tem origem nos Estados Unidos (na década de 60) e na Europa nos anos 70 e hoje representa a vanguarda do pensamento estratégico.

É preciso planejar olhando para o que ainda não aconteceu

Nessa década de mudança exponencial, planejar com base no que você já viu acontecer, não basta. É preciso planejar olhando para o que ainda não aconteceu e nem foi visto. Essa é a nova linha de planejamento que tem utilidade para os novos modelos de negócios.

Há os que questionam o valor do planejamento na órbita dos modelos exponenciais.  Que serventia tem planejar numa época em que as regras do jogo são cada vez mais mutantes?  Se tudo muda a cada momento, então, de que adiante olhar para o amanhã infinito? Porque é na direção do infinito que caminhamos em busca de novos horizontes.

Outra fator que faz com que os novos negócios invalidem o planejamento   é a necessidade de improvisar, de dançar no ritmo do momento. E essa dança não conversa bem com limites: é uma dança livre, sem muito ensaio. Nesse contexto,  planejamento acaba impondo limites para a improvisação, que é o gingado estratégico desses novos modelos.

O planejamento clássico perdeu seu valor

Pivotagem, prototipagem, experimentação, improvisação são condições do atual ambiente de negócios tal qual estabelecem as cartilhas das startups.  Nesse caso, sim, o planejamento perdeu seu valor, mas estou falando aqui do planejamento clássico, já explicado. Mas o planejamento prospectivo, aquele que abraça o futuro como princípio de inovação no presente, é fundamental para trazer robustez ao negócio, seja ele de qualquer natureza.

planejamento 01
Não basta planejar com base no que você já viu acontecer (Crédito: Shutterstock)

Olhar para o futuro, ver o que é possível, plausível, provável e preferível, fará toda a diferença para a vitalidade de um empreendimento. Segundo a Fundação Dom Cabral, 25% das startups morrem em menos de um ano, 50% fracassam em menos de quatro anos por falta de planejamento.

Seja qual for o desafio imposto pela mudança, não se deve confundir  planejamento estratégico com planejamento prospectivo estratégico. O planejamento prospectivo atua como o nutriente básico para a criação de um negócio prospectivo. Em vez de projetar o passado ele te possibilita antecipar o futuro, e isso determina em grande parte o destino de um negócio.

É total contrassenso querer ser disuptivo sem olhar para  o imaginário do futuro e sem entrar no território do desconhecido. Peter Drucker explicava como acertava quase sempre em suas apostas que o consagraram como o grande gênio da administração moderna: ele olhava pela janela, via o que era visível mas que ainda ninguém tinha visto. Esse é o desafio para quem deseja inovar: ver o que é visível mas que ainda ninguém viu. Para isso existe o futurismo aplicado: ensinar como captar os sinais da mudança.

Os empreendedores e executivos que não adotarem esse novo modelo de planejamento vão poder inovar por pouco tempo. Inovar não é fazer projeção do que já foi: é antecipar o que ainda está por vir. As empresas que não criarem ambientes propícios  para o exercício do imaginário, irão perder o seu lugar no futuro que já chegou.

A prospectiva estratégica conecta o passado com o futuro fazendo o presente ficar mais longo e fértil para a inovação. Sem  conexões complexas, profundas e amplas é bem possível que a inovação nasça atrofiada. Nesse caso vai precisar de um planejamento vitaminado: aquele que aplica o futurismo.


Workshop de Futurismo Aplicado com Rosa Alegria, pioneira em futurismo no Brasil. Está entre as três futuristas mais reconhecidas da América Latina.

Dias 21/22 de junho em São Paulo – Últimas vagas – Inscrições AQUI.

Confira AQUI depoimentos de grandes lideranças da inovação sobre esse workshop.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER SEMANAL

Rosa Alegria

Futurista profissional, palestrante, pesquisadora de tendências e Mestre em Estudos do Futuro pela Universidade de Houston (EUA)

ARTIGOS RELACIONADOS

Comentários no Facebook

Leia também

Fechar