Cultura

A redenção tecnológica entre as gerações

Entre as funções benignas da tecnologia, estamos diante da sua ação redentora entre as gerações. O que por muito tempo foi obstáculo entre mundos, físico e eletrônico, voz e tecla, 1.0 e 3.0, analógico e digital, presencial e virtual, hoje tem facilitado a conversa entre as diversas gerações.

Redes sociais, apps, games, plataformas colaborativas e diversos aparatos tecnológicos em profusão têm conectado os mais velhos e os mais novos como se entre eles não existissem diferenças de idade, todos juntos e misturados.

O potencial criativo que existe por detrás de diálogos inter-geracionais é fabuloso e ainda pouco explorado. A memorável e premiada campanha da escola de inglês CNA, que conectava crianças e adolescentes para aprender inglês com idosos norte-americanos residentes de asilos que buscavam contato social, é um exemplo do que de grandioso pode acontecer.  O impacto foi tão grande que das conversas em inglês a interação passou a envolver histórias de vida, experiências culturais e troca de ideias.

Novos tempos, novas tecnologias

Os sinais dos novos tempos estão transformando tecnologias excludentes em tecnologias inclusivas conectando gerações como nunca antes imaginado. Pela primeira vez na história existe a possibilidade de cinco gerações conversarem como numa orquestra trans-etária que reúne sentimentos, experiências e ideias.

Dispositivos digitais e plataformas colaborativas cruzam dados, juntam interesses, aglutinam histórias e quebram todas as restrições que antes interrompiam a comunicação entre os imigrantes e os nativos digitais.

Cada vez mais amigáveis, recursos como chats por voz, jogos móveis e redes com imagens do tipo Instagram e Facebook estão acelerando essa conversação entre tribos de todas as idades, permitindo que até a própria família, bastante desunida, comece a se conectar de diversas outras formas que não as tradicionais conversas ao redor da mesa.

É obvio que isso não corrige o estado crítico do relacionamento familiar assolado pelo afastamento e individualismo mas provoca um recomeço de conversa que tem como ponto de partida as conversações digitais. Os jogos sociais e móveis estão trazendo de volta, em versão contemporânea, aquelas noites de jogos ao redor da mesa em família.

Difícil recuperar a riqueza dos longos papos via telefone fixo ou até mesmo pelo celular. Mas diante dos novos tempos, softwares favorecem conversas rápidas e utilitárias, bem superficiais, porém mais frequentes.

gerações 01
Softwares favorecem conversas rápidas e utilitárias, bem superficiais, porém mais frequentes (Crédito: Shutterstock)

Construindo pontes entre todas as gerações

Não estou tentando defender a tecnologia como solução para recuperar relacionamentos já corroídos pela máquina, mas não tem como negar que algo positivo está acontecendo na direção de um nova realidade social, nesse caso, através da aglutinação entre tribos etárias.

A comunidade Pangera – Mundo sem Idade (#pangeramundosemidade) é uma iniciativa pioneira que veio para promover a necessidade dessa conversa que transcende idades e constrói relacionamentos saudáveis. Veio também para romper fronteiras e construir pontes entre todas as gerações.

Nesse mundo em que idade não determina critérios nem tampouco segmentos de mercado, a tecnologia passa a ser o palco de uma conversação criativa e construtiva entre os que nasceram antes e depois da Internet, criando soluções, gerando ideias, trilhando novos caminhos, enfrentando os mesmos desafios e buscando saídas criativas para viver unidos e mais felizes em suas diferenças.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER SEMANAL

Rosa Alegria

Futurista profissional, palestrante, pesquisadora de tendências e Mestre em Estudos do Futuro pela Universidade de Houston (EUA)

ARTIGOS RELACIONADOS

Comentários no Facebook