Virtualidade

Novo estudo revela como a realidade aumentada afeta o comportamento humano

Um grupo de pesquisadores da Universidade de Stanford descobriu que experiências em realidade aumentada (AR) têm um efeito direto sobre o comportamento humano no mundo real, mesmo depois que o headset é removido. O estudo, liderado por Jeremy Bailenson, contou com a participação de 218 pessoas.

Realidade aumentada e comportamento humano

Conduzida na School of Humanities and Sciences, a pesquisa examinou de que forma a AR afeta o comportamento humano. Foram conduzidos três experimentos diferentes que expuseram os participantes a diversas situações sociais, sendo todas elas trazidas “à vida” com um headset Microsoft HoloLens MR.

Descobrimos que o uso da tecnologia de realidade aumentada pode mudar a forma como você anda, como vira a cabeça, como você se sai bem em tarefas e como se conecta socialmente com outras pessoas físicas na sala. – Jeremy Bailenson (pesquisador que liderou o estudo)

Primeiro experimento

O primeiro experimento envolveu testar o senso de “inibição social” (social inhibition). Em síntese, os usuários tiveram de completar uma série de anagramas enquanto um avatar digital os vigiava. A presença do intrometido, chamado Chris, teve um efeito negativo perceptível nas performances dos participantes.

Segundo experimento

O segundo experimento envolveu testes de “pistas sociais” (social cues). Só para ilustrar: os usuários tiveram de escolher entre sentar em uma cadeira ocupada por um avatar digital ou escolher sentar em uma cadeira vazia. Em resumo, todos os participantes que usavam o headset optaram por sentar na cadeira vazia.

comportamento humano 01
O estudo contou com a participação de 218 pessoas (Crédito: LA Cicero)

É provável que você também goste:

Como serão os hotéis daqui a 100 anos?

Super-humanos telepáticos poderão ser uma realidade até 2038

Primeiro hotel subterrâneo do mundo está prestes a abrir na China

Já 72% dos usuários que foram instruídos a remover o headset antes de escolher o assento (portanto, não mais enxergando o avatar) também escolheram a cadeira vazia. Esse fato, sem dúvida, surpreendeu os pesquisadores. De acordo com Bailenson, a equipe por ele liderada chegou à seguinte conclusão:

O fato de que nem um único dos participantes com headset sentou onde o avatar estava foi uma surpresa. Esses resultados destacam como o conteúdo AR se integra ao seu espaço físico, afetando a maneira como você interage com ele. A presença de conteúdo AR também parece demorar depois que os óculos são retirados. Jeremy Bailenson

Terceiro experimento

Já o  terceiro experimento explorou os efeitos da AR na conexão social. Os pesquisadores pediram aos participantes que conversassem entre si. Uma parte deles utilizou headsets durante a interação, enquanto a outra parte não. Os pesquisadores, então, perguntaram como os participantes se sentiram durante a interação.

Em síntese, os participantes que estavam usando headset relataram que se sentiram menos conectados durante a conversação do que participantes que não usaram os dispositivos. Bailenson acredita que estudos adicionais são necessários para examinar mais detalhadamente os efeitos da realidade aumentada.

Embora muitos teses ainda sejam necessários, Bailenson e a equipe estão confiantes com estudo. Os pesquisadores acreditam que a pesquisa como um todo fornecerá resultados que impactarão o futuro da realidade aumentada. O que vem por aí? Aguardemos as cenas dos próximos capítulos.

Enfim, gostou da matéria?

Então siga o Futuro Exponencial no Facebook e no Instagram. Além disso, não deixe de acompanhar todos os nossos conteúdos semanais sobre futurismo, tecnologia, inovação, ciência e muito mais.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER SEMANAL

Redação

Futuro Exponencial é um site que se dedica a cobrir os mais recentes avanços tecnológicos e seus potenciais impactos para o futuro da humanidade

ARTIGOS RELACIONADOS

Comentários no Facebook