Tecnologia

Conheça PLOOTA, o menor colete salva-vidas do mundo

Não importa quão bom nadador você seja, nadar sempre envolve riscos. De ondas gigantescas a cãibras musculares, existem muitas coisas que podem dar errado na água. E aí que entra PLOOTA, o primeiro dispositivo de segurança controlado por sensores automáticos e projetado para atividades de lazer.

Construído para ser usado ao redor do pescoço, PLOOTA contém sensores capazes de identificar situações de emergência. Sempre que a cabeça do usuário estiver submersa por mais de 30 segundos, os sensores acionam duas almofadas flutuantes, que são preenchidas com CO2 para levar o mergulhador até a superfície.

Os cartuchos de dióxido de carbono são recarregáveis e têm capacidade para manter o usuário flutuando por mais de 6 horas. Embora seja acionadas automaticamente em situações emergenciais, as almofadas podem ser pressionadas pelo próprio mergulhador sempre que desejar retornar à superfície.

Ploota 01
Duas almofadas são acionadas quando a cabeça do usuário estiver submersa por mais de 30 segundos (Crédito: Ploota)

PLOOTA, o menor colete salva-vidas do mundo

A ideia de desenvolver o dispositivo surgiu depois de Rainer Fakesch, fundador e atual CEO da empresa, ter presenciado um membro de sua família quase se afogar. Fakesch percebeu que a água pode ser uma ameaça mesmo para bons nadadores. Foi então que decidiu revolucionar a segurança da natação.

Esquiar, dirigir, andar de bicicleta nas montanhas – há equipamentos de proteção para quase todos os esportes, exceto a natação. – Rainer Fakesch

Ploota 02
O equipamento ocupa 50 vezes menos espaço do que os coletes salva-vidas convencionais (Crédito: Ploota)

Com um design extremamente leve (280 gramas) e compacto, PLOOTA ocupa 50 vezes menos espaço do que os coletes salva-vidas convencionais. Essas propriedades permitem que mergulhadores pratiquem qualquer esporte aquático, mesmo aqueles de alta intensidade, sem perceber que estão portando o equipamento.

Ploota 03
O equipamento funciona mesmo se o nadador estiver inconsciente ou em pânico (Crédito: PLOOTA)

PLOOTA funciona mesmo se o nadador estiver inconsciente ou em pânico. Se considerarmos as milhares de mortes por afogamentos em todo o mundo (somente no Brasil, foram registradas 119.485 mortes por afogamentos acidentais entre 1996 e 2015), o dispositivo tem potencial para salvar muitas vidas no futuro.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER SEMANAL

Redação

Futuro Exponencial é um site que se dedica a cobrir os mais recentes avanços tecnológicos e seus potenciais impactos para o futuro da humanidade

ARTIGOS RELACIONADOS

Comentários no Facebook