Negócios

Nada é para sempre e a tradição já não é (mesmo) o que era

Se pegarmos as edições das 500 Maiores e Melhores Empresas de 20 anos atrás e as cruzarmos com a edição do ano que passou, talvez constatemos que mais de metade das empresas que figuravam na lista não estão mais nela. Mais. Talvez tenham mesmo desaparecido, engolidas por empresas mais recentes, mais jovens, mais ajustadas com as necessidades dos mercados.

Onde andavam os criadores do Facebook, Amazon, Google e tantas outras empresas que têm pouco mais de uma década de vida e não estavam nestes rankings há 20 anos? E o que aconteceu com empresas centenárias, globais, estruturadas que lideravam estas listas e os mercados?

Este século tem provado que nada é para sempre e que não é pelo fato de termos x anos ou décadas de mercado que este será contemplativo com a nossa vida e com a nossa perenidade. Nokia, Kodak, Varig, Pagenet (para quem não se lembra era uma marca de beepers/pagers prévia aos telefones móveis), e tantas outras empresas (e marcas) foram cilindradas por ofertas mais recentes, mais disruptivas e corajosas.

não 01
Este século tem provado que nada é para sempre (Crédito: Shutterstock)

Não que eu seja adepto da mortalidade empresarial, mas contra fatos…

E os fatos estão aí para mostrar que quem se detém no seu histórico se encosta à sombra do que fez ou se preocupa demasiado com o “sempre foi assim” está condenado. Perguntam-me várias vezes em palestras, aulas, reuniões com clientes: Para onde vamos? Como enfrentar esta dinâmica? O que fazer? A todos respondo que hoje não existem fórmulas mágicas.

O caminho está traçado, orientado pelas tendências e pelo futurismo (disciplina que estuda e antecipa os fenômenos que irão influenciar nossas vidas e mercados). Podemos construir um mapa de entendimento do que se apresenta à nossa frente, devendo adotar a inovação como cultura, método e processo permanentes nas nossas empresas.

não 02
O caminho está traçado, orientado pelas tendências e pelo futurismo (Crédito: Shutterstock)

Inovação não é um bicho esquisito, muito menos da responsabilidade de alguns na empresa. É cada vez mais uma cultura, uma forma de estar, tomando decisões no sentido de trazer novas soluções para os mercados, soluções que tragam valor efetivo para clientes. Ferramentas não faltam. Mas é preciso olhar para este mindset de forma séria, adotado por todos que estão genuinamente preocupados com o sucesso das suas empresas.

Inovação deixou de ser uma buzzword. Passou a ser temática obrigatória se quisermos perenizar a nossa presença nos mercados. Para tal, é necessário olhar pra frente e abandonar o retrovisor.

O mercado acontece no futuro.


Assina esse texto: Luis Rasquilha (CEO da Inova Consulting e Inova Business School)

ASSINE NOSSA NEWSLETTER SEMANAL

Inova Consulting

A Inova Consulting é uma empresa global, com matriz no Brasil e presença na Europa e Estados Unidos, que atua na consultoria e treinamento de futuro, tendências e inovação estratégica para a gestão. Através do conhecimento dos cenários, das megatendências, das tendências comportamentais e das tendências de negócio, produz insights aplicáveis aos negócios, com DNA inovador e forte orientação ao futuro.

ARTIGOS RELACIONADOS

Comentários no Facebook