nação espacial
Ciência

A “nação espacial” Asgardia acaba de lançar seu primeiro satélite em órbita

O nanosat Asgardia-1 viajou dois dias até a Estação Espacial Internacional

O cientista russo Igor Ashurbeyli ficou conhecido mundialmente por ter fundado, em setembro de 2016, a “nação espacial” Asgardia. O projeto foi idealizado com um propósito bastante ambicioso: tornar-se o primeiro “país” privado no espaço, livre das restrições impostas pelas leis dos estados terrestres.

Embora poucas pessoas tenham levado a iniciativa a sério, acreditando ser apenas mais um “devaneio de um russo bilionário”, Asgardia ganhou as mídias em junho de 2017, quando anunciou planos de enviar um nanossatélite ao espaço para testar o conceito de armazenamento de dados em órbita.

nação espacial picture

Asgardia pretende se tornar o primeiro “país” privado no espaço (Crédito: James Vaughan/Asgardia)

A “nação espacial” revelou que o satélite seria lançado em apenas três meses (setembro de 2017), deixando a mídia em polvorosa. A curiosidade em saber detalhes do projeto levou mais de 2,4 milhões de internautas a acessar o site oficial da Asgardia (o maior pico desde sua fundação).

Promessa é dívida

Para a surpresa de muitos céticos, os planos de Ashurbeyli se concretizaram no último domingo (12). Asgardia pavimentou sua presença no cosmos ao lançar, com sucesso, o satélite Asgardia-1. Do tamanho de um pedaço de pão, o nanosat viajou dois dias até a Estação Espacial Internacional (ISS).

O satélite Asgardia-1 fez sua jornada a bordo do OA-8 Antares-Cygnus, um veículo de carga comercial da NASA. O lançamento ocorreu na Wallops Flight Facility, na costa leste da Virgínia, nos Estados Unidos.

nação espacial launch

O nanosat Asgardia-1 viajou dois dias até a Estação Espacial Internacional (Crédito: Asgardia)

O nanossatélite contém 0,5 TB de dados pertencentes a 18 mil cidadãos de Asgardia (asgardianos), incluindo cópias digitais de fotografias familiares, representações da bandeira da “nação espacial” e a versão mais atual da constituição. A iniciativa cumpre a promessa feita por Ashurbeyl:

Eu prometi que haveria um lançamento. Nós selecionamos a NASA como um parceiro confiável (…) porque temos que cumprir os compromissos que fizemos há 13 meses. – Igor Ashurbeyli

O nanosat deverá agora aguardar por cerca de três semanas, enquanto materiais vitais e equipamentos científicos são transferidos à Estação Espacial Internacional. Após, o Asgardia-1 será implantado em baixa órbita, onde permanecerá por até 18 meses antes de queimar e desaparecer.

Os planos da nação espacial

O lançamento de Asgardia-1 tem objetivo muito maior do que enviar dados ao espaço: firmar território. Isso porque, para ser admitida pela ONU, uma nação deve cumprir quatro condições: ter um constituição, um governo, uma moeda e um território. Na visão de Ashurbeyli, as condições estão agora bem encaminhadas:

A Constituição de Asgardia já foi aceita; sua criptografia, o Solar, está cadastrada no Instituto de Propriedade Intelectual da União Europeia; e a formação do governo está em andamento. – Igor Ashurbeyli

O lançamento do nanossatélite cumpre a condição final (o território) e torna Asgardia mais próxima de concretizar sua ambição: tornar-se o guardião espacial do conhecimento humano. Mais de 114.000 pessoas, oriundas de 204 países, estão atualmente inscritas para se tornar cidadãos asgardianos.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER SEMANAL

Futuro Exponencial é um site dedicado a cobrir os mais recentes avanços tecnológicos e seus potenciais impactos para o futuro da humanidade. Contate-nos: contato@futuroexponencial.com

Comentários no Facebook