Inovação

As grandes ideias também surgem da diversão!

Quando pensamos nas grandes ideias e inovações tecnológicas que nos rodeiam, temos a tendência natural de acreditar que a maioria delas surgiu por uma necessidade do ser humano, que, em algum momento da história, desejou aprimorar a maneira como desempenhava suas atividades.

Parece lógico que nossos ancestrais construíram ferramentas de caça pela necessidade de se alimentar. E consequentemente sobreviver. Também parece lógico que nossos antepassados aprenderam a tecer vestes com a pele de animais pela necessidade de se aquecer no inverno – novamente para sobreviver.

Mas para nós, seres humanos modernos, é difícil imaginar como aqueles hominídeos, mesmo passando por tantas dificuldades no período, decidiram inventar instrumentos como a flauta, que nada faziam além de que criar vibrações inúteis nas moléculas do ar.

Quando as ideias surgem da diversão

Em resumo, por incrível que pareça, foi exatamente o que nossos ancestrais fizeram. E o que os levou a inventar a flauta? O desejo de se divertir.

E é exatamente esse poderoso motivador, que se tornou surpreendentemente comum em toda a história da inovação, que Steven Johnson analisa no TED Talk intitulado The Playful Wonderland Behind Great Inventions:

Algumas vezes as pessoas inventam coisas porque elas querem se manter vivas ou alimentar seus filhos. Mas, frequentemente, novas ideias surgem no mundo simplesmente por serem divertidas.Steven Johnson

A utilidade das invenções divertidas

Johnson nos explica que muitas dessas invenções divertidas, embora pudessem parecer inúteis à primeira vista, acabaram por desencadear transformações muito importantes na ciência, na política e na sociedade.

A história que conhecemos sobre os computadores programáveis é que eles surgiram da tecnologia militar, sendo usados para decodificar códigos durante a Segunda Guerra Mundial. Mas, segundo Johnson, os computadores têm uma história muito mais antiga e divertida – e, sobretudo, musical. E novamente a flauta aparece:

A ideia por trás da flauta, de assoprar ar através de tubos para produzir sons, foi finalmente modificada para criar o primeiro órgão há mais de 2 mil anos. Alguém teve a brilhante ideia de provocar a emissão de sons pressionando pequenas alavancas com os dedos, inventando o primeiro teclado musical. Steven Johnson

Os teclados, por sua vez, evoluíram do órgão para o clavicórdio, o cravo e o piano.

ideias cravo
O “cravo de escrever” (século XIX)

No século XIX, um grupo de inventores decidiu usar um teclado para gerar letras, em vez de sons. Assim, criou a primeira máquina de escrever – originalmente chamada de “o cravo de escrever”. Em italiano, Il cembalo scrivano.

A máquina evoluiu até tornar possível os computadores programáveis. O que sabemos, portanto, é apenas uma pequena parte da história.

Assim como os computadores, existe uma longa lista de ideias e tecnologias transformadoras que surgiram de brincadeiras. São exemplos: os museus públicos, a borracha, a teoria das probabilidades e os seguros.

Em suma, a necessidade nem sempre é a mãe da invenção (Platão, afinal, estava errado). Um estado de espírito lúdico pode criar infinitas possibilidades no mundo ao nosso redor.

Que outras invenções poderão surgir no futuro a partir da diversão?

ASSINE NOSSA NEWSLETTER SEMANAL

Redação

Futuro Exponencial é um site que se dedica a cobrir os mais recentes avanços tecnológicos e seus potenciais impactos para o futuro da humanidade

ARTIGOS RELACIONADOS

Comentários no Facebook