Tecnologia

Drones com desfibriladores poderão salvar vidas no futuro

Os drones estão se tornando uma tecnologia onipresente em nossas vidas. Eles já são capazes de registrar imagens das localidades mais fantásticas ou mesmo inabitáveis do planeta, entregar encomendas e até dançar com estrelas da música pop. As capacidades das máquinas voadoras crescem a cada dia e em ritmo cada vez maior.

Mas, agora, uma startup sueca desenvolveu um drone capaz de salvar vidas. Criado pela FlyPulse, o LifeDrone-AED é capaz de levar desfibriladores externos automáticos (automatic external defibrillators – AED) até o local de uma emergência médica a uma velocidade incrível – quatro vezes mais rápido do que uma ambulância:

Os riscos da parada cardíaca

Nos Estados Unidos, a cada ano mais de 350 mil pessoas sofrem de parada cardíaca longe de um hospital. Apenas 12% das vítimas sobrevivem antes da chegada do atendimento médico. Já na Suécia, a cada ano 10 mil pessoas experimentam parada cardíaca, sendo que apenas cerca de 500 destas sobrevivem.

E qual é o fator mais importante para alcançar uma chance maior sobrevivência? Reduzir o tempo entre a parada cardíaca e a desfibrilação do paciente. Os primeiros minutos após uma parada cardíaca são, assim, fundamentais para determinar as possibilidades de recuperação.

No entanto, as ambulâncias nem sempre conseguem ser rápidas o suficiente, já que devem enfrentar as ruas e o trânsito. Da mesma forma, embora se recomende que as pessoas tenham acesso à desfibrilação em casa, os aparelhos não são nada baratos, criando uma barreira financeira para a aquisição.

drones pátio
O LifeDrone-AED pode chegar ao local da emergência até 4x mais rápido que uma ambulância (Crédito: FlyPulse)

A solução

O uso de drones para transportar AEDs é essencial. Com eles, pode-se reduzir o tempo entre a parada cardíaca e a aplicação do choque para a reanimação. Afinal, quanto maior o tempo de espera da vítima do ataque cardíaco, menor a chance de sobrevivência.

Utilizando drones para transportar desfibriladores ao local da emergência médica, a FlyPulse pretende aplicar a corrente elétrica em até três minutos contados da parada cardíaca, diminuindo os riscos para as vítimas.

Um estudo publicado no Journal of the American Medical Associated demonstrou que os AEDs entregues por drones poderiam superar as ambulâncias em situações de emergência, reduzindo o tempo de resposta em 16 minutos.

Os pesquisadores verificaram que o tempo médio de voo do drone foi de 5 minutos e 25 segundos. Por outro lado, foram necessários 22 minutos para despachar uma ambulância para o mesmo local. Para Jacob Hollenberg, o coordenador do estudo, a diferença de tempo poderá ser fundamental para salvar vidas.

drones voar

Quanto maior o tempo de espera da vítima do ataque cardíaco, menor a chance de sobrevivência (Crédito: FlyPulse)

O projeto FlyPulse

A ideia de usar drones para transportar AEDs surgiu a partir de moradores das áreas rurais suecas. Em resumo, os moradores se queixavam da demora no atendimento médico. Eles precisavam esperar cerca de meia hora para que uma ambulância chegasse ao local de uma situação de parada cardíaca.

E isso, definitivamente, era muito preocupante.

O projeto da FlyPulse poderá em breve oferecer um atendimento mais rápido para esses moradores. Uma vez que o drone é convocado a partir de sua estação por um sistema de alarme em caso de parada cardíaca, a empresa já conseguiu reduzir o tempo de reação de emergência em cerca de três minutos.

A tecnologia ainda depende que alguém na cena seja capaz de operar o desfibrilador, mas a FlyPulse pretende treinar os usuários e oferecer demonstrações sobre a melhor maneira de lidar com o equipamento.

drones voadores
A FlyPulse já conseguiu reduzir o tempo de reação de emergência em cerca de três minutos (Crédito: FlyPulse)

Mais drones

Enfim, o LifeDrone-AED não é o único drone da FlyPulse com o potencial de salvar vidas. A empresa também está desenvolvendo o LifeDrone-WATER para auxiliar na localização e assistência das vítimas de afogamento, bem como o LifeDrone-FIRE, que fornecerá uma visão geral de incêndio e incidentes.

Os drones desenvolvidas pela Flypulse necessitam de mais alguns voos de teste antes de atingir os céus, mas, sem dúvida, são um avanço promissor na tecnologia de emergência. No futuro, as máquinas voadoras poderão fazer uma diferença significativa em comunidades ao redor do mundo, preservando e salvando vidas humanas.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER SEMANAL

Redação

Futuro Exponencial é um site que se dedica a cobrir os mais recentes avanços tecnológicos e seus potenciais impactos para o futuro da humanidade

ARTIGOS RELACIONADOS

Comentários no Facebook