crescimento
Inovação

Compreendendo o crescimento exponencial com os tribbles

Erik Brynjolfsson e Andrew McAfee resgatam um famoso episódio de Star Trek para explicar o conceito

O crescimento exponencial é algo relativamente simples de compreender, mas, sem dúvida, muito difícil de internalizar. Incorporar o conceito exige mais do que esforço, vontade e disposição. Em síntese, exige uma verdadeira mudança de mindset – que não acontece da noite para o dia.

Isso se deve porque nós, seres humanos, fomos ensinados a pensar de maneira linear e local. Como a preocupação imediata de nossos antepassados era apenas sobreviver, os pensamentos eram direcionados para o instante presente. Durante muitos séculos, não houve um planejamento para o futuro.

Mergulhados nesse raciocínio ancestral, a maioria de nós segue acreditando que os próximos anos serão lineares, tal como foram as décadas anteriores. Só que o mundo de hoje é diverso daquele que nosso cérebro evoluiu para entender. A era em que vivemos é completamente diferente, em todos os aspectos.

Assim como um maestro dita o compasso de uma sinfonia, as novas tecnologias estão ditando o ritmo de nossas sociedades. E o padrão, definitivamente, não é o mesmo que nossos antepassados presenciavam. Os avanços tecnológicos estão evoluindo em uma lógica completamente diversa: a exponencial.

Muitos estudiosos vêm se dedicando a estudar o crescimento exponencial da tecnologia e esclarecer suas nuances ao público. Ray Kurzweil relembrou a lenda do imperador e do inventor do xadrez e a adaptou para a realidade atual. Kevin Drum utilizou o Lago Michigan para explicar o conceito de forma didática.

Hoje, ilustraremos o crescimento exponencial com mais uma analogia, a partir das reflexões contidas do livro The Second Machine Age (2016), de Erik Brynjolfsson e Andrew McAfee.

Os Tribbles e o crescimento exponencial

Para demonstrar o poder do crescimento exponencial, os autores rememoram um episódio da série de ficção científica Star Trek, intitulado The Trouble With Tribbles. Na história, a tenente da USS Enterprise, Nyota Uhura, recebe de um comerciante uma criaturinha peluda e simpática de alta taxa reprodutiva.

crescimento tribbles

A tenente Uhura aceita o pequeno tribble do comerciante

Agora imagine que você também receba em mãos um tribble. Todo dia, cada tribble dá à luz outro tribble, duplicando sua coleção.

Um geek diria, nesse caso, que a família tribble está vivenciando crescimento exponencial. Isso porque a expressão matemática para identificar quantos tribbles existem em um dia x é 2x-1, onde x-1 é o expoente. – Erik Brynjolfsson e Andrew McAfee

Dobrando o número de tribbles diariamente, depois de duas semanas você terá mais de 16.000 criaturinhas. O crescimento exponencial – no caso, o aumento da família tribble – normalmente é representado da seguinte forma:

crescimento gráfico 1

Fonte: Brynjolfsson, Andrew McAfee. The Second Machine Age

Embora o gráfico seja preciso para ilustrar o crescimento contínuo dos tribbles, os autores acreditam que a representação é enganosa. Para eles, o espaçamento padrão linear dá a entender que o aumento dos tribbles ocorreu somente nos últimos dias, com quase nada acontecendo na primeira semana.

E isso necessariamente não é verdade, pois, como destacam Brynjolfsson e McAfee, o fenômeno – duplicação diária dos tribbles – aconteceu o tempo todo, sem aceleração ou interrupções.

crescimento tribbles2

A multiplicação constante dos tribbles

Logo, na visão dos autores, o gráfico com espaçamento padrão linear – em que cada segmento do eixo vertical indica dois mil tribbles a mais –, apesar de servir a muitos propósitos, é insuficiente para ilustrar detalhadamente o crescimento exponencial.

Para visualizar melhor a multiplicação das criaturinhas, Brynjolfsson e McAfee sugerem modificar o espaçamento dos números na representação gráfica da escala linear para a logarítmica:

Para enfatizá-lo [o crescimento exponencial] melhor, mudaremos o espaçamento logarítmico, no qual cada segmento do eixo vertical representa um aumento de dez vezes em tribbles: um primeiro aumento de 1 para 10, depois de 10 para 100 e por aí vai. Em outras palavras, vamos usar uma escala, no eixo das potências, em ordens de magnitude 10. – Erik Brynjolfsson e Andrew McAfee

Em uma escala logarítmica, o crescimento da família de tribbles ficaria assim:

crescimento gráfico 2

Fonte: Brynjolfsson, Andrew McAfee. The Second Machine Age

O gráfico logarítmico não enfatiza os números maiores ao final – como se vê no gráfico com espaçamento linear –, mas, sim, realça a constância da duplicação ao longo do tempo. Por isso, na visão de Brynjolfsson e McAfee, gráficos logarítmicos são mais recomendáveis para representar o crescimento exponencial.

Para os autores, quando se emprega escalas logarítmicas para ilustrar as duplicações e outras séries de crescimento exponencial, fica mais fácil avaliar sua velocidade: quanto maior o expoente, mais rapidamente os fenômenos crescem e mais íngreme será a linha.

Gráficos logarítmicos têm uma maravilhosa propriedade: eles mostram o crescimento exponencial como uma linha reta perfeita. – Erik Brynjolfsson e Andrew McAfee

De todo modo, seja qual for o modelo adotado para a representação (escala linear ou logarítmica), não se pode negar ou mesmo subestimar o poder do crescimento exponencial. E, assim como os tribbles, nossa sociedade está evoluindo em um ritmo cada vez maior.

No futuro, estaremos preparados para todas essas transformações?

ASSINE NOSSA NEWSLETTER SEMANAL

Redação do Futuro Exponencial

Comentários no Facebook