blockchain
Cultura

Blockchain: uma cronologia

O Bitcoin é apenas o início de uma transformação econômica que revolucionará o mundo

Essa é uma história que está muito longe do seu final. Talvez levará eras. Esse post é um relato não exaustivo do que aconteceu de mais relevante na cronologia do Blockchain até o momento. Para fins de simplicidade, trataremos da chamada Distributed Ledger Tecnology (DLT) apenas como Blockchain nesse texto.

The Bit Bang

A cronologia do Blockchain se inicia com surgimento do Bitcoin, em 2008. O Bitcoin é o marco inicial de uma transformação econômica enorme, que tem balançado a indústria financeira cada vez mais.

Ele é objeto de estudo de inúmeros estudiosos, economistas e pesquisadores. Para saber mais sobre esse fenômeno, leia o livro do Fernando Ulrich, chamado Bitcoin: A moeda na Era Digital.

Uma parte importante da consistência por trás do Bitcoin está em seu algoritmo de consenso, chamado Proof-of-Work. Ele é o mecanismo que garante que alguém mal-intencionado não insira transações falsas na cadeia de blocos (block chain).

Isso é feito por meio de uma “prova de trabalho”, que consiste na aplicação de recursos computacionais que dão o direito ao processamento do bloco de transação submetido à rede (aka mineração). Esse é o Molho Secreto do Blockchain do Bitcoin.

Após o boom das criptomoedas, temos centenas de ofertas no mercado, com propostas parecidas ou iguais ao Bitcoin. Duas delas são dignas de nota: o Ripple e o Ethereum.

O primeiro, surgido em 2012, é focado em um Blockchain Privado e possui um Algoritmo de Consenso próprio. Já o Ethereum, criado em 2015, tem um implementação do Proof-of-Work e é um Blockchain Público. Ambos vão além das criptomoedas e suportam também contratos inteligentes (Smart Contracts).

blockchain tab

Para uma descrição bem completa sobre Blockchains Públicos e Privados, visite esse artigo da Tori Adams (a imagem acima foi retirada dele).

Blockchain e Resposta do Mercado

Com o olhar em um horizonte de transformação a partir do Blockchain, diversas instituições ao redor do mundo começaram a se unir e a organizar consórcios, com propósito de entender melhor essas tecnologias e explorar os benefícios que criptomoedas e contratos inteligentes podem proporcionar.

Em Setembro de 2015 foi lançado o Consórcio R3CEV, formado por diversos gigantes da indústria financeira, com foco em desenvolver tecnologias de blockchain privados que atendam esses bancos.

Mais tarde, ainda em 2015, a Linux Foundation lançou o consórcio Hyperledger, composto por empresas de diversos segmentos e suportado por gigantes da tecnologia, como IBM e Intel.

Foi o Hyperledger o responsável pelo lançamento da plataforma Fabric, uma combinação de implementações anteriores:

  • Hyperledger da Digital Asset Holding: empresa homônima ao consórcio adquirida pela DAH, que posteriormente cedeu os direitos ao consórcio
  • Libbitcoin Consensus: uma implementação do algoritmo de consenso baseada na biblioteca oficial do Bitcoin
  • OpenBlockchain: projeto original da IBM que foi descontinuado após a integração da empresa ao Hyperledger

O Fabric utiliza um outro Algoritmo de Consenso, chamado Byzantine Fault Tolerance, uma referência ao problema original dos algoritmos de consenso, que é o Problema dos Generais Bizantinos.

Com Fabric, alguns Casos de Uso interessantes já foram feitos entre ANZ e Wells Fargo e também entre Bank of America, HSBC, IDA e Merril Lynch, só para exemplificar.

Além do Fabric, o Consórcio Hyperledger também já lançou outras implementações de blockchain que vale a pena conferir, como o Iroha, o Sawtooth Lake e recentemente o Cello.

Cada um deles possui seu próprio Algoritmo de Consenso, porém no que diz respeito a contratos inteligentes, todos os projetos do Hyperledger suportam a mesma linguagem, que é o Chaincode, da IBM.

Após os resultados da suas próprias iniciativas, o Hyperledger se tornou responsável pela distribuição da plataforma Corda, uma implementação Open Source de Blockchain feita pela R3CEV e focada em Blockchain Privado. A plataforma foi lançada em meados de 2016, período em que alguns grandes bancos se desvincularam do consórcio.

A planilha abaixo traz um quadro comparativo entre os principais cases de blockchain no momento:

blockchain planilha

Revoluções Pós-Plataforma

O Blockchain do Bitcoin, Ripple e Ethereum também serviram de base para o desenvolvimento de novas tecnologias. Abaixo, um breve resumo de exemplos interessantes:

  • Ascribe (ascribe.io): desenvolvido sobre o Blockchain do Bitcoin e focado no registro de Propriedade Intelectual para artistas. Eles são criadores do site WhereOnTheNet, para que autores possam localizar o uso de suas obras na internet;
  • Original My (originalmy.com): também feito sobre o Blockchain do Bitcoin, essa é uma iniciativa brasileira para o registro e certificação. Foi lá que foi registrado o primeiro casamento brasileiro em Blockchain;
  • Stellar: um criptomoeda que, em seu algoritmo de consenso, fez um implementação da ideia original do Ripple. O fato interessante aqui é que, na ocorrência de um problema de inconsistência nos dados do seu blockchain (problema conhecido como fork), a empresa atribuiu a causa ao algoritmo original do Ripple, o que causou uma certa confusão.

A plataforma Ethereum é a mais rica em termos de Casos de Uso. Existem centenas de implementações diferentes feitas sobre a plataforma. Abaixo, alguns exemplos para ilustrar casos distintos feitos até o momento:

  • CommonAccord: plataforma focada no registro de documentos legais;
  • BTC Realy: viabiliza o registro de contratos inteligentes sobre o Blockchain do Bitcoin;
  • Consensys: empresa que possui um portfólio com diversos produtos sobre Ethereum. Talvez, um dos mais interessantes seja a SigularDTV, que é uma plataforma de distribuição de conteúdo de mídia, totalmente distribuída. Um desafio enorme ao modelo atual da indústria das comunicações;

Mas nem tudo são flores quando se trata de operar uma plataforma distribuída. Assim como aconteceu com o Stellar, a rede do Ethereum teve um case de grande repercussão, conhecido como “The DAO Hack” ou simplesmente “The DAO”.

Distributed Autonomous Organizations (DAO) são um modelo de organização distribuída proposto por Vitalik Buterin, criador do Ethereum. Elas representam um modelo de gestão totalmente distribuído, com registros e integridade totalmente garantido por Blockchain. Clique aqui para saber mais sobre DAO.

Esse evento aconteceu em uma DAO criada para o Slock.it, um cadeado inteligente, baseado em contratos inteligentes e Blockchain.

A equipe criou seu crowdfunding usando Ethereum como plataforma para aporte financeiro e, alguém que conhecia os detalhes técnicos do contrato, usou uma vulnerabilidade dele para roubar Ether (a criptomoeda do Ethereum).

Isso causou um abalo na confiança dos usuários e um queda no valor do Ether. Você pode encontrar um relato detalhado desse fato aqui.

Após esse evento, ocorreu uma divisão (fork) na cadeia de blocos do Ethereum e temos duas cadeias em operação na plataforma hoje, sendo que a cadeia inicial que deu início à segunda chama-se Ethereum Classic, enquanto a nova chama-se apenas Ethereum.

E não é apenas na criação de produtos de tecnologia que a proposta de valor do blockchain tem trazido avanços. O modelo de organizações distribuídas inspira ações como o Benefactory, uma plataforma de filantropia baseada em blockchain, em que as pessoas podem ajudar organizações e causas sociais com as quais se identificam.

Aqui no Brasil, um modelo de organização em rede totalmente distribuído é o da Organização Próspera. Ele propõe que não haja centralização de poder nem mesmo tomada de decisões coletivas. As decisões são individuais e cada um é um nó autônomo, mas vinculado ao “nós”, que é a coletividade.

As regras de funcionamento dessa organização ficam armazenada em Blockchain e o restante é decorrência das interações iniciadas por cada nó. Esse modelo já possui algumas aplicações práticas, como por exemplo:

  • CriptoTransfer: voltado ao mercado das criptomoedas. Um diretório aberto para todo aquele que quer saber mais sobre como investir nesse mercado;
  • Blockchain Revolution Brasil: site focado na disseminação do Blockchain e da Organização Próspera;
  • BlockPub: plataforma para publicações feitas diretamente em Blockchain. Foram os responsáveis pela tradução do livro “Blockchain Revolution”, de Don Tapscott para o português;
  • Pimpadas: voltado à livre comercialização e consumo de alimentos feitos de forma artesanal;
  • JustVirtual: ambiente para encontrar os mais diversos prestadores de serviço para contratação.

Tudo isso em menos de 10 anos! Uma transformação econômica, social, tecnológica, de perspectivas. Já são milhares de pessoas envolvidas em projetos relacionados a Blockchain no momento.

Isso somado à característica exponencial das transformações em que vivemos hoje colocará esse assunto na sua vida mais cedo ou mais tarde. E aí, prefere esperar ou começar agora?

blockchain timeline

Essa cronologia foi apresentada como parte do Workshop Blockchain promovido pelo Molho Secreto em Fevereiro de 2017. Fique à vontade para fazer suas contribuições 😉

ASSINE NOSSA NEWSLETTER SEMANAL

Entrepreneurship and Leadership in the Digital World

Comentários no Facebook