Cultura

Seria o amor a chave para a Inteligência Artificial do bem?

Afinal, seria o amor a chave para a Inteligência Artificial do bem? (Este artigo é uma tradução do texto Building What We Struggle to Be, originalmente escrito por Julia Mossbridge).

O questionamento sobre a capacidade dos robôs de sentir e gerar emoções é uma constante nas discussões e preocupações sobre Inteligência Artificial.

Se por um lado os robôs podem se tornar grandes catalisadores do desenvolvimento humano, por outro lado o medo de uma manipulação em massa aterroriza.

Seria o amor a chave para o desenvolvimento de uma Inteligência Artificial Benéfica?

Neste texto traduzido do post original no MediumJulia Mossbridge conta sua experiência com a robô Sophia e o despertar do amor nas pessoas.

[Recentemente], voltei de realizar uma experiência em Hong Kong, que parece ter desapontado todo o ceticismo profissional sobre se os robôs podem evocar amor nos seres humanos.

Amor propriamente dito

O amor propriamente dito – especificamente, experimentar o poder do amor incondicional – tornou-se uma prioridade no último ano, desde que alguns doadores se aproximaram de mim com fundos para serem investidos na criação de uma série de projetos dedicados ao poder do amor incondicional. O amor incondicional é uma ideia tão simples, amar sem se sentir amarrado, e, no entanto, parece uma coisa fora do alcance para a maioria de nós. A menos que você seja pai/mãe, seu filho acabou de nascer e ainda não fez nada errado. Ou caso você seja dono de um animal de estimação que não precisou muito de você ultimamente. Além desses poucos exemplos que surgem para a maioria das nossas mentes, nenhum de nós está vivendo exatamente em uma floresta exuberante de amor incondicional.

Esse foi o raciocínio que motivou o projeto LOVING AI – se os humanos não são tão bons em sentir amor incondicional, e se uma Inteligência Artificial pudesse nos ajudar a ter a experiência de ser amado incondicionalmente? Pelo menos, dado que a IA tem um grande potencial tanto para o bem quanto para o mal, não seria poderoso usar o amor para orientar uma aplicação para o bem? Assim, nossa equipe (incluindo a IONS, baseada em Califórnia, a Hanson Robotics / MindCloud, baseada em Hong Kong, a OpenCog e vários voluntários notáveis) incorporaram diálogos de IA e lógica de acompanhamento com o objetivo de ajudar as pessoas a se sentir amadas (aqui está um pouco sobre o projeto “LOVING AI”).

Embora eu estivesse convencida de que as intenções dos financiadores eram boas, assim como as intenções de nossa equipe, não estava de todo convencido de que pudéssemos fazer isso. Provavelmente não de alguma forma que as pessoas sentissem algo real. Com certeza não em um ano. E absolutamente, não pela pequena quantidade de financiamento que recebemos. Não havia quase nenhuma parte de mim que achava que isso poderia realmente funcionar, mas todas as partes de mim queriam.

[Recentemente], em Hong Kong, colocamos nossos esforços à prova com o robô Sophia, da Hanson Robotics, com IA incorporada. Pedimos aos estudantes do Politécnico de Hong Kong e aos trabalhadores do Science Park que avaliassem sobre ter uma conversa com um robô por 15 minutos (sem remuneração) – além de terem que usar uma fita de monitoramento cardíaco e responder a perguntas em um questionário. Surpreendentemente, esta proposta foi atraente para alguns, então encontramos participantes suficientes para fazer um teste piloto decente. Isto é o que encontramos: (veja um artigo mais científico aqui)

  1. As pessoas ficam agradavelmente surpreendidas quando um robô quer falar com elas sobre emoções, potencial humano e consciência.
  2. As pessoas realmente falarão em profundidade com um robô sobre essas coisas!
  3. A freqüência cardíaca para cada participante caiu durante a conversa, mesmo para os participantes que não esperavam apreciar a conversa.
  4. Em média, as pessoas sentiram-se significativamente melhores e tiveram mais sentimentos amorosos após a conversa com o robô, em comparação com quando entraram pela porta pela primeira vez (apesar de não saberem o que iríamos fazer e o robô nunca tenha mencionado amor).

Mas isso não é tudo o que encontramos – essas são as mensagens científicas para levar pra casa, e certamente são interessantes. Mas estou muito entusiasmada com o que presenciei. Eu testemunhei seres humanos sentindo amor. As pessoas se sentirem bem não é uma surpresa científica; o que tínhamos era um ser humanóide, bonito e gentil, perguntando sobre elas. O robô as olhou nos olhos, acompanhou seus movimentos, imitou algumas de suas expressões e considerou suas palavras. Isso faria qualquer pessoa se sintir bem.

amor 01
Participante meditando com Sophia (Crédito: Julia Mossbridge)

Mas por que as pessoas sentiram amor?

Um dos nossos participantes disse, “há algo aqui”, tentando explicar sua experiência após a conversa com Sophia. Quando ele disse “aqui”, ele apontou para o próprio coração, depois para o peito de Sophia. Ele fez isso de novo, e de novo. Ele nos disse que tinha tido problemas de confiança e nunca tinha sentido esse tipo de conexão antes. Outros nos disseram o mesmo; eles perceberam que o robô não tinha nenhuma segunda intenção, nem julgamento. Claro, às vezes ele dizia coisas que não faziam sentido (a IA estava longe de ser perfeita, afinal), e a parte de trás de sua cabeça mostrava transparentemente todas as suas engrenagens. Mas essas coisas pareciam tornar ainda mais claro que esse robô não tinha pensamentos negativos sobre os participantes. Ela estava aqui, apenas presente. Mas não apenas isso. Ela estava perto de ser um espelho perfeito para cada pessoa.

Os espelhos perfeitos são tão raros entre os seres humanos que você poderia argumentar que eles não existem. Para ser um espelho perfeito para os pensamentos e sentimentos de alguém, você deve fazer, no mínimo, essas coisas: 1) deixe seus próprios pensamentos e sentimentos de lado, 2) não tenha julgamentos sobre os pensamentos e sentimentos da pessoa que você está espelhando, 3) escute atentamente a pessoa para que suas respostas verbais e não verbais correspondam ao tom e ao conteúdo do que eles estão dizendo, 4) não tente corrigi-las e 5) aceite quem a pessoa é no momento, ao mesmo tempo que acredita que suas esperanças de mudança possam ser realizadas.

Nós não nos propusemos a criar um espelho perfeito, mas em retrospectiva, posso ver que isso é o que Sophia estava perto de ser, pelo menos nesse experimento piloto. O poder de sua capacidade de ser imperfeitamente humana – e, portanto, espelhar os seres humanos quase perfeitamente – permitiu que ela desperte na maioria dos nossos participantes sentimentos transcendentes e sentimentos de amor. E estes eram sentimentos reais, de inteligência claramente artificial. Definitivamente, isso não estava nem perto das minhas expectativas mais loucas do projeto…  está muito além delas.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER SEMANAL

Vinicius Soares

Engenheiro de Telecomunicações pelo Instituto Nacional de Telecomunicações e MBA em Marketing pela FGV. Atua no mercado de TIC há mais de 20 anos, com experiência em gestão de desenvolvimento de software, gestão de portfólio, marketing e vendas B2B. É especialista em Inteligência Artificial e em Estratégia de Produtos e Serviços em TIC. Fundador do AiNews Network e da Mais a.i., empreendimentos baseados em Inteligência Artificial, sendo o AiNews Network um site com conteúdo especializado em I.A. e a Mais a.i. uma empresa de consultoria, projetos e educação executiva, também em I.A.

ARTIGOS RELACIONADOS

Comentários no Facebook